header

Faça o download do álbum "As Horas" do Camundogs

E sabe o que vem aí? O lançamento do novo álbum "As Horas", do Camundogs. E você pode baixar inteiramente de graça aqui no site, em arquivos de mp3! Basta clicar nos links abaixo e pronto, é só ouvir!

Álbum "As Horas"

1 - Entrelinhas (Download)
2 - O termo (Download)
3 - As horas (Download)
4 - Delicadas Formas de Ironia (Download)
5 - Um som (Download)
6 - Espelhos (Download)
7 - Antes só (Download)
8 - Encruzilhada (Download)
9 - Um quarto (Download)
10 - Depois da tarde (Download)
11 - Em paz (Download)
12 - 12 meses (Download)
13 - Surreal (Download)

Fiquem ligados pois em breve, nós postaremos as novidades da semana de lançamento. Muitas atrações. Não deixe de conferir!
Inscrições para o Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados podem ser feitas pelo site do instituto até o dia 13 de dezembro

Rio de Janeiro, 10 de novembro de 2010 - O Oi Futuro, instituto de responsabilidade social da Oi, abriu o edital 2011 para o Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados.
O ministro da Cultura, Juca Ferreira, participou do lançamento oficial do programa, dia 8/11, no Oi Futuro no Flamengo.Diante do teatro lotado, o ministro falou sobre a missão do estado de abrir as portas para o acesso à cultura. “A cultura não é só arte, é produção simbólica. Muita coisa boa pode ser feita com a ajuda da sociedade e da iniciativa privada”, disse Juca Ferreira.
O evento também teve a participação da superintendente da Lei de Incentivo à Cultura da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, Mariana Várzea, do subsecretário da Democratização e Difusão Cultural da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, Humberto Araújo, da diretora de cultura do Oi Futuro, Maria Arlete Gonçalves e do diretor institucional do Oi Futuro, José Zunga.
O programa de 2011 destinará recursos para o financiamento total ou parcial de projetos aprovados em leis estaduais e municipais de incentivo à cultura. O objetivo da iniciativa é estimular a produção artística no Brasil, valorizando a diversidade como elemento fundamental da identidade nacional. As inscrições para o processo de seleção estarão disponíveis até 13 de dezembro no site www.oifuturo.org.br . Artistas e produtores culturais podem concorrer com mais de um projeto.

Para Maria Arlete, diretora de Cultura do Oi Futuro, o quadro social do país pode ser revertido através de programas como o Oi Patrocínios Culturais Incentivados. “O Oi Futuro tem o compromisso com a diversidade cultural brasileira e desenvolve, apóia e patrocina projetos e ações inovadoras”, disse Arlete.
Através de conceitos como "acesso” e "inovação”, o programa incentiva iniciativas que valorizem talentos regionais e que possibilitem o intercâmbio de idéias e a convergência entre arte e tecnologia. Também são considerados como aspectos relevantes a capacidade de formação de novas platéias, a criação de novas oportunidades de trabalho e de formação de artistas.

Mais de 950 projetos em segmentos variados, como teatro, danças, festivais, artes visuais e cinema, já foram contemplados, atingindo um público estimado de 13 milhões de espectadores.

Seguindo o mesmo modelo das últimas edições, o Oi Futuro será responsável pela gestão do programa. As propostas serão avaliadas por comissões especializadas em cada uma das áreas culturais e o resultado será divulgado no site do Oi Futuro, em data a ser definida. Os projetos terão a confirmação do patrocínio condicionada à apresentação dos certificados válidos nas Leis de Incentivo à Cultura.

Em 2010, a Oi selecionou por meio do programa 259 projetos culturais, com investimento de cerca de R$ 40 milhões, em diversos estados. Entre as iniciativas selecionadas, há mostras de cinema e artes visuais, longa-metragens, obras de teatro, shows de música, festivais de dança, novas tecnologias, cultura popular, literatura e patrimônio. Os projetos selecionados na edição passada do programa concorreram com mais de 5.300 mil propostas inscritas dos diferentes estados, das diversas regiões do país.

Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados 2011

Inscrições: de 8 de novembro até 13 de dezembro de 2010

www.oifuturo.org.br

Mais informações: faleconosco@oifuturo.org.br

Você também pode ligar para 0800-0953099.
O horário de atendimento é de segunda a sábado, entre 8h e 20h

Acústico em Som Maior com a banda Mogno

Acústico em Som Maior com a banda Mogno com os músicos Darueck Campos (vocal), Glauber Jansen (guitarra), Thiago Melo (bateria) e Saulo Machado (baixo).

Convidados: Alessandro Ferreira (violão), Douglas Marques (alaúde) e Adauto Rilison (piano).


Dias 03 (quarta), 09 (terça) e 16 (terça) de novembro, às 20h, no Teatro Hélio Melo.

Final de semana cultural

Em continuação ao conceito de dar espaço e promover as atividades da cultura acreana, o Coletivo P&iá apresentou diversos tipos de atrações nos últimos dois dias, 31de julho e 1º de agosto, do Salão Estadual do Turismo na Expoacre 2010. Com artes cênicas e muita música, o Salão se viu tomado por olhares curiosos e satisfeitos com as produções artísticas locais.

No sábado, a discotecagem AcrePoéticaSonora abriu a noite com repertório tipicamente regional.
Em seguida, os bons e velhos blueseiros do Mapinguari Blues mostraram porque é considerada uma das maiores bandas acreanas da atualidade. Logo após, foi a vez de um,grupo musical recém saído do forno tomou conta do palco: Ana e os Lobos, com sua sonoridade mais popular, porém sem perder a pegada “rock”. E fechando a noite, as garotas e o garoto da novata banda Degradê atraíram um público próprio, formado em sua maioria por jovens.

Encerrando a exposição e, consequentemente, esta primeira edição do Salão do Turismo, o P&iá continuou firme por lá. O domingo ficou marcado pela participação de artistas históricos para a cena cultural acreana. O Grupo Vivarte, Heloy de Castro e Clenilson e os Lendários já possuem o status de lendas vivas. Mesmo assim, não se viu comodidade em suas apresentações.

O Cortejo Vivarte foi uma das ideias que mais chamaram a atenção de quem foi à Expoacre. Com a mensagem ambiental passada através de uma caminhada pelas ruas do Parque de Exposição, o Vivarte mostrou que cultura e consciência ambiental devem andar de mãos dadas. E esta temática também é muito presente nas composições de Heloy e Clenilson. Ambos animaram quem visitou o Salão.

Saldo positivo para cultura e para o turismo acreano. A parceria entre Secretaria de Esporte, Turismo e Lazer e Coletivo de Cultura P&iá se mostrou benéfica tanto para quem faz arte quanto para quem aprecia e consome.
Por Helder Cavalcante Jr.
Fotos: Alex Nunes e Nanny Damasceno

Turismo da cultura

Com eventos coordenados pelo Coletivo P&iá, vários artistas se apresentaram no Salão do Turismo

Cultura é mais que um mero produto. Foi com esta mentalidade que o Coletivo P&iá coordenou as atividades culturais apresentadas no I Salão Estadual do Turismo. No último dia de atividades culturais no Salão, 1º agosto, os olhares curiosos dos visitantes do Salão se voltaram para o Cortejo Vivarte, realizado pelo Grupo de Teatro Vivarte.

Na sequência, o palco cultural no Salão recebeu a banda Camundogs, Heloy de Castro e Clenílson Batista. Rock, Música Popular Acreana, arranjos psicodélicos e muita empatia com a plateia marcaram este encerramento desta etapa na parceria entre Coletivo P&iá e Secretaria Estadual de Esporte, Turismo e Lazer.

O Cortejo Vivarte caminhou pelas ruas do Parque de Exposição. O espetáculo chama a atenção para a necessidade de preservação ambiental. “Pensamos que a através da arte, nós podemos conscientizar as pessoas para questões importantes.”, afirma Maria Rita, atriz do grupo Vivarte. Durante o cortejo é feito resgate do trabalho do próprio grupo teatral com cirandas, músicas da peça “O Casamento da filha do Mapinguari”, entre outros.

Sem ensaio, o espetáculo se caracteriza pela interatividade com o público. “O cortejo não tem improviso. Ele apenas acontece.”, explica Maria Rita. Nesta edição do Cortejo Vivarte, nove integrantes do grupo participaram, todos com figurinos de personagens do folclore acreano.

O P&iá no I Salão Estadual do Turismo
Não só de paisagens, gastronomia e hotéis compõem as ações turísticas de um lugar. Neste grupo também se inclui as manifestações artísticas que caracterizam a região e seu povo. O I Salão Estadual do Turismo tem suas atividades culturais e são coordenadas pelo Coletivo de Cultura P&iá. A proposta é apresentar os roteiros e o potencial turístico do Estado.

Durante os nove dias de Expoacre, o Coletivo organizou shows de bandas acreanas, apresentações cênicas, entre outras intervenções artísticas. Tudo acontece no palco montado dentro o próprio Salão do Turismo. Serão ofertadas 30 atrações durante a exposição.

Segundo Alexandre Nunes, coordenador do P&iá, esta parceria entre Setul e P&iá é interessante para o público que visita o Salão. “A participação do P&iá partiu de uma provocação minha para o Cassiano Marques (secretário de Turismo, Esporte e Lazer), da qual perguntei como ficariam as atividades culturais do Salão. Ele respondeu que aconteceriam todos os dias e seriam organizadas por nós do Coletivo P&iá.”, explica Alexandre.

A programação cultural organizada pela Setul e coletivo P&iá buscou se utilizar do ambiente de negócio que é fomentado através do salão, com apresentações teatrais e musicais diárias, entre 24 de julho e 01 de agosto, os visitantes terão uma amostra do potencial artístico autoral de nosso estado.

Sobre o P&iá
Criado por artistas, produtores, jornalistas e demais ativistas culturais, o Coletivo P&iá nasceu da vontade de produzir arte. Para isso, estes profissionais de diferentes áreas de atuação se uniram e formaram essa rede. Não existe inscrição, taxa de manutenção ou mensalidade para participar do P&iá. Suas atividades se realizam com objetivos singulares que, em conjunto, formam produções coletivas. “O Coletivo P&iá surgiu da união de pessoas trabalhando juntos em prol que visa contemplar a todos. O Coletivo foi formado antes mesmo da sua criação.”, define Nunes.

Helder Cavalcante Jr./ABRAJET-AC Fotos: Adonay Melo/Amazôniaphotos

CULTURA DO TURISMO - Construção Coletiva

Desde o dia 24 o coletivo vem organizando as atrações culturais no Stand Palco do P&IÁ e por lá passaram Camundogs, CIA Camalearte, Roda de Samba, Sonativo, Mogno, RB TRIO com a participação do Eduardo Di Deus na Bateria e Lina Graziela, Cappucino Jack, Pimenta de Cheiro/Verônica Padrão e Zé Jarina. Sempre com apresentações profissionais e agradando a todos os presentes. Mas, literalmente não tem como descrever o que aconteceu na última sexta feira, então, não irei atrever-me a tentá-lo e só registrar, que infelizmente não gravamos os shows para quem não foi, ter certeza do que perdeu. Os convidados foram Marisa Dwir, a brasiliense que chegou com seu violão, muita técnica e repertório intocável. Depois Kelen Mendes com suas composições, todo seu swing e dos meninos do RBTrio, com sua formação original Messias [contra baixo], Paulo [Bateria] e Charles [Guitarra]. Fechando Filomedusa, Zen, Tiago, Saulinho e CAROL FREITAS foi... Vou pedir licença e usar de uma expressão que Carol, sempre usa “lindo, lindo cara!”.

O Stand do P&IÁ fica na EXPOACRE 2010 onde acontece o I Salão Estadual do Turismo do Acre realizado pela SETUL com apoio da FEM.

por Alexandre Nunes
Fotos: Nanny Damasceno

O Sucesso do I Salão Estadual do Turismo é coletivo.

Uma verdadeira celebração as artes acontece no I Salão Estadual do Turismo do Acre realizado pela SETUL e parceiros, é lá, que diariamente no ‘stand’ do P&IÁ – produtores, comunicadores e fazedores de cultura estão se reunindo com toda diversidade autoral do nosso estado, para compartilhar esse momento que é impar, para cultura do turismo do nosso Estado. Empresas dialogando e buscando alternativas e parcerias, para o fortalecimento desta cadeia produtiva que é uma das mais, sustentáveis e inclusivas, de todas as alternativas e oportunidades que temos em nossa região. O nosso jeito, o nosso lugar, nossa gente trabalhando juntos, para receber todos que visitam o espaço.
É no palco que acontece o pocket show, intervenções teatrais e musicais.
Na terça feira quem abriu a noite foi o chorinho do SONATIVO, Jardel e sua turma mandaram ver o melhor do choro nacional e algumas composições autorais. O trio vem fazendo várias apresentações e a cada uma, o público dá uma resposta positiva para a evolução dos meninos. Logo na seqüência o palco foi dominado. Rapidamente o som de uma das mais promissoras bandas da nossa cena rock, a MOGNO, contagiou todos presentes. Daruek, o nosso amigo darú, e suas canções carregadas de influências britânicas fecharam a noite de terça feira. “...o que mais gosto na mogno é a bela variação melódica”, afirma Aarão Prado – Membro do coletivo P&IÁ.

Na quarta feira o Cappucino Jack, com uma claque profissional, “...os amigos e familiares prestigiaram nosso show” diz Hugo Costa [baixista], feliz com a apresentação que fez a alegria dos amantes do rock and roll, surpreendeu mais uma vez. A banda, que agora tem na batera a gata Kaline Rossi, vem amadurecendo rapidamente em todos os aspectos, tanto sonora e estética com uma performance pulsante e densa. Não menos pulsante foi a eletrizante apresentação dos meninos do RBTrio, que também contou as participações especiais, da bela Lina Graziela, do baterista Eduardo Di Deus, do Caldo de Piaba, que substituiu o Paulo Nobre, que na oportunidade tocou contra-baixo, porque o Charles foi tocar em outro espaço e acabou atrasando-se, com isso, o baixista do RBTRIO, Messias tinha outro compromisso e não pode tocar, a apresentação do trio teve também a participação do Zé Jarina, ele que abriu os serviços na quinta feira com seus causos e canções como Mani, Bicicleta, Cadê o ovo e João do Batelão. Na quarta feira quem fechou os trabalhos no palco do P&IÁ/Salão foi a grande voz de Verônica Padrão e o Grupo Pimenta de Cheiro, o forró pé de serra tomou conta do salão que de turismo virou de festa. Com um repertório com canções de André Dantas, Paulo Arantes, Narciso Augusto, Dominguinhos e Luiz Gonzaga a noite foi encerrada com chave de ouro.

Por Alexandre Nunes
Fotos: Alexandre Nunes e Nanny Damasceno

I Salão Estadual do Turismo do Acre

Sem dúvida um espaço que precisa e deve ser preservado.

A sensibilidade e comprometimento de pessoas que acreditam no potencial autoral do Acre, sem nenhuma dúvida, foi fator propulsor para se garantir um espaço com toda estrutura para artistas, produtores e comunicadores apresentarem diariamente seus trabalhos, no I Salão Estadual do Turismo do Acre.

Um palco, na área central do salão; Não teria melhor ‘stand’ para expor nossa ‘arte’, serão 09 noites e já passaram por ele, os hermanos peruanos com sua musica folclore, com flautas e todo balanço latino que lhe é peculiar, os meninos da Banda Alter-Ego que apesar do pouco tempo de ‘estrada’, já são uma das promissoras bandas da nossa cidade. Com letras fortemente ligadas ao cotidiano e uma boa pitada de bom humor a banda abril o Show dos veteranos Camundogs, que como sempre levaram ao palco suas canções repletas de poesia, num show denso e tocante, marca registrada do grupo, apesar do pouco publico, os camundogs estavam bem a vontade e o show agradou em cheio.

E isso foi só o primeiro dia já no domingo, o clima foi outro, mais igualmente positivo. Abram alas para o alto astral do grupo Roda de Samba, um desfile de talento nas musicas autorais e versão do sambista acreano Da costa. É claro que os grandes mestres do samba também formam o repertório deste ótimo grupo da música acreana.

Segunda feira, o salão de turismo pode presenciar um show poderoso da cantora Verônica Padrão, no repertório, Mercedes Sosa, Pixinguinha, Narciso Augusto pra citar alguns, entre outros grandes artistas do mundo, do Brasil e do Acre. Um momento bem inusitado no show, foi à participação de uma família peruana, que parou o show, para tirar fotos com a interprete, que aproveitou o local oportuno pra relembrar a importância dessa integração. Afinal tudo acontece dentro de um salão de turismo.por Alexandre Nunes
Fotos: Nanny Santana e Alexandre Nunes

Camalearte apresenta “Acre Poético” no Salão do Turismo

Coletivo P&iá organiza apresentações artísticas durante a Expoacre

O segundo dia de intervenções artísticas no I Salão Estadual do Turismo teve a encenação “Acre Poético” com poesias de autores acreanos interpretadas pelos atores da Cia de Arte Camalearte. Parte das atrações organizadas pelo Coletivo de Cultura P&iá, o espetáculo foi apresentado no palco do Salão.

Atores jovens recitando poesias que retratam o cotidiano acreano, sem deixar de dar seu toque pessoal na hora da interpretação. Para o diretor da Cia de Arte Camalearte, Paulo Nascimento, esta experiência, que é nova, visa incentivar os novos talentos das artes cênicas. “Esperamos que o público prestigie, afinal são adolescentes que gostam de fazer arte.”, afirma.

São nove atores encenando 13 obras de poetas como Hélio Melo, Betho Rocha, Florinda Esteves, Nilda Dantas, entre tantos outros. Cada poema foi escolhido pelos próprios atores.

Paulo Nascimento exalta o apoio do Coletivo P&iá com realizações como esta no salão do Turismo. “Interessante este espaço, além do P&ia, temos o apoio da Fundação Garibaldi Brasil e Gutierrez Contabilidade para fazermos nosso trabalho.”, explica.




por Helder Cavalcante Jr./ABRAJET-AC

Fotos: Marcos Vicenti/Amazôniaphotos

I Salão Estadual do Turismo do Acre

Uma das grandes novidades da feira agropecuária - Expoacre 2010 será a realização do primeiro I Salão Estadual do Turismo do Acre. Um evento, a exemplo do encontro nacional, reúne no mesmo espaço Governo do Estado, operadoras e agências de turismo, representantes da rede hoteleira, artistas e produtores culturais e do Ministério do Turismo. A proposta é apresentar os roteiros e o potencial turístico do Estado.
A programação cultural organizada pela Setul e coletivo P&iá busca se utilizar do ambiente de negócio que é fomentado através do salão, com apresentações teatrais e musicais diárias, de 24 de junho a 01 de agosto, os visitantes terão uma amostra do potencial artístico autoral de nosso estado.

Confira a programação e prestigie o I Salão Estadual do Turismo do ACRE.

Sábado 24
20h – Solenidade de abertura oficial do I Salão Estadual do Turismo
21h – Discotecagem AcrePoéticaSonora
22h – Camundogs [Show Musical]

Domingo 25
20h – Discotecagem AcrePoéticaSonora
21h - Cia Camalearte – [Espetáculo Teatral]
22h - Roda de Samba – [Show Musical]

Segunda 26
20h – SHOW PERU [Show Musical]
21h – Kanarô [Show Musical]

Terça 27
20h – Discotecagem AcrePoéticaSonora
21h – Sonativo [Show Musical]
22h - Mogno [Show Musical]

Quarta 28
20h – SHOW PERU [Show Musical]
21h - RB TRIO [Show Musical]
22h – Cappucino Jack [Show Musical]

Quinta 29
20h – Discotecagem AcrePoéticaSonora
21h - Elias Colega & Forró do Cachoeira [Show Musical]
22h - Pimenta de Cheiro/Verônica [Show Musical]

Sexta 30
19h30 - Ivan e Roberta [Espetáculo Teatral]
20h00 – Kanarô [Show Musical]
20h45 - Marisa Dwir [Show Musical]
21h15 - Kelen Mendes [Show Musical]
22h – Filomedusa [Show Musical]

Sábado 31
20h – Discotecagem AcrePoéticaSonora
21h - Degradê [Show Musical]
21h25 - Ana e os Lobos [Show Musical]
22h - Mapinguari Blues [Show Musical]

Domingo 01 de agosto
19h – Cortejo Vivarte
20h – O casamento da filha do mapinguari [Espetáculo Teatral]
21h - Clenilson & Os lendários [Show Musical]
22h - Heloy de Castro [Show Musical]

FESTIVAL CHICO POP

Edição Rafael Cavalheiro - Imagens Hugo Costa

Festival Chico Pop 2010 no Geração Gazeta

CANCELAMENTO

O Coletivo de Cultura P&iá informa que a reunião que aconteceria hoje, às 17h, entre fazedores de cultura e José Lucimar Zunga Alves de Lima, Diretor Institucional - Oi Futuro, foi adiada.

Ele, que estaria em Rio Branco para visitar projetos da empresa, também ampliaria sua agenda para conversar com fazedores, produtores, grupos e associações relacionados à cultura rio-branquense, através de contato feito com Coletivo de Cultura P&iá, para falar dos recursos da OI Futuro às produções culturais, com objetivo de fortalecer a rede de cultura local.

José Lucimar Zunga vai remarcar a data de sua visita, com o compromisso de realizar esse encontro em sua vinda. O Coletivo de Cultura P&iá, informará, assim que confirmada, a data desse encontro.

Atenciosamente,

Coletivo de Cultura P&iá

Convite para o povo da cultura de Rio Branco!

Nós do Coletivo de Cultura P&iá estaremos reunindo na próxima semana, com José Lucimar Zunga Alves de Lima, Diretor Institucional - Oi Futuro, que vem a Rio Branco para agenda institucional. Que segue:

Programação:

06/07 às 09:00h – Escola Ione Portela da Costa Casas

06/07 às 15:00h – Escola Francisco de Paula Oiticica Filho

07/07 às 09:00h – Escola Francisco Augusto Bacurau

07/07 às 10:30h – Escola Irmã Maria Gabriela

O mesmo estará em Rio Branco a partir do dia 05 de julho, portanto a ideia é reunirmos para uma conversa nesta segunda-feira, 5, às 18h, no Auditório do Palácio de Justiça.

Assim, gostaríamos de ampliar esta conversa e convidamos os fazedores, produtores, grupos e associações relacionados à cultura rio-branquense. Nós, integrantes do P&iá, pensamos que tal contato com esta instituição pode ofertar mais recursos às produções culturais, fortalecendo a rede de cultura local.


Não deixe de ir e juntos cresceremos em prol da cultura de Rio Branco.


Atenciosamente,



Coletivo de Cultura P&iá

Reverberação de ideias!

Se algo foi bom de verdade, tem que repercutir! E a terceira edição do Festival Chico Pop conseguiu uma das suas maiores metas: ser comentado nos dias seguintes. Entre tuiteiros, blogs, jornais, programas de TV, sites e rodas de conversa, muita gente comenta, diz o que gostou ou não, onde foi diferente, o que pode melhorar, ou seja, o Festival mexeu “um tantinho” com essa cidade.

Veja o clipping de algumas das matérias que saíram na internet. E viva o Festival Chico Pop!

Contil Net
http://www.contilnet.com.br/Conteudo.aspx?ConteudoID=6279

Notícias da Hora
http://www.noticiasdahora.com/component/search/?searchword=festival+chico+pop&ordering=&searchphrase=all

O Rio Branco . Net
http://oriobranco.net/component/search/festival%2Bchico%2Bpop.html?ordering=&searchphrase=all

Gazeta.Net
http://www.agazeta.net/index.php?searchword=festival+chico+pop&ordering=&searchphrase=all&Itemid=285&option=com_search

Página 20
http://www.pagina20.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=15092&Itemid=14

Coluna Márcia Abreu - Jornal A Gazeta
http://www.ejornais.com.br/jornal_a_gazeta.html

Agência de Notícias do Acre
http://www.agencia.ac.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=13087&Itemid=26

Site Catraca Livre – UOL
http://catracalivre.folha.uol.com.br/2010/06/3%C2%BA-festival-chico-pop/

AC 24 Horas
http://www.ac24horas.com/portal/index.php/acre/11092-festival-chico-pop-teve-uma-semana-de-grandes-encontros

Comunidade Excola
http://exkola.com.br/scripts/noticia.php?id=35390570

Coluna Giuliana Evangelista - Jornal A Tribuna
http://www.jornalatribuna.com.br/MostrarColuna.do?id=6536&ano=2010&mes=06&dia=29

Bem, por enquanto é isso. Em breve voltamos com mais links e notícias sobre o Festival Chico Pop e Semana Pop. Até mais!

Chico Pop na TV Aldeia

Confira todos os detalhes do Festival Chico Pop

Como parte das ações do coletivo P&ia de Cultura, o Festival Chico Pop surpreendeu em vários aspectos: o bom público e a qualidade das apresentações musicais mostraram um pouco do espírito do primeiro ativista cultural do Acre que sabia como poucos que a arte é a expressão da vida em todas as suas formas.

Imagens de Ruizemar Leite
Reportagem de Ilana Zannini

O encontro das artes na festa Pop

Interatividade entre diversas expressões, entre elas, teatro, cinema, literatura, principalmente, muita música. Assim foi construída a Semana Pop e o Festival Chico Pop, que encerrou na noite de domingo com a banda acreana Los Porongas. Um longo passeio pelas artes, fazendo uma união praticada por muito tempo pelo jornalista e ativista cultural Chico Pop. Realizados pelo coletivo de cultura P&iá, os eventos convergem ao interesse desse movimento, que é reunir pessoas, desde produtores culturais, artistas a jornalistas, interessadas em fazer, construírem juntos. Esse ano, a terceira edição do Festival Chico Pop que ficou mais extensa com a Semana Pop, teve a apresentação da OI e Governo do Estado e o apoio cultural de vários outros parceiros. A celebração maior aconteceu no sábado e domingo, com os shows das bandas acreanas, que apresentaram seus trabalhos autorais, e de convidados especiais de outros lugares, a banda O Sonso, que nasceu em Fortaleza, e do ex-Secos e Molhados Gerson Conrad.

Uma grande festa da arte acreana. Para quem participou do evento, o Festival Chico Pop teve seu crescimento reconhecido. “As outras edições não foram tão divulgadas e com tantas atrações quanto esta. Os investimentos e esforços foram maiores neste ano”, comenta Daniele Albuquerque, jornalista. “Eu destaco na programação, a diversidade de atividades, tanto na Semana Pop quanto no Festival Chico Pop”, completa.

Entre os convidados, Gerson Conrad, que durante a atuação nos Secos e Molhados jamais veio ao Acre, se renovou no palco do Festival Chico Pop mostrando seu trabalho a um público, principalmente, jovem"Acho interessante esses movimentos, considero positivos, porque infelizmente s caminhais atuais da música com o conceito do empresário artístico já não funciona, hoje as agências tem feito caminho com os artistas e esses movimentos possibilitam também uma relação direta entre artistas em fazer coisas novas, criando um circuito muito importante, afinal, isso que possibilitou eu conhecer o Acre, e estou muito feliz", diz. Sobre o evento, Gerson durante seu show registrou seus agradecimentos ao coletivo de cultura P&iá. "Fiz questão de agradecer no show a todos que trabalham nesse evento, foi realmente impecável a produção, a disciplina dos organizadores e o carinho com que todos nos trataram. É muito gratificante fazer parte dessa troca", comenta.

O professor e produtor, Rogério Duarte, um dos poucos nomes no Brasil a pesquisar e estudar letras do rock brasileiro comenta sobe a diversidade do evento. "A diversidade foi o grande diferencial do evento, que não foi só um festival, foram várias artes, lugares, gêneros. Vivemos em uma época em que todos acham que a internet colocará as pessoas em contato, e ela ajuda, mas não faz sozinha. A melhor maneira de reunir pessoas, é como vocês fizeram, estimulando as pessoas a ocuparem os espaços, juntas, artista e público. O coletivo promoveu cultura e a tendência é que a cada ano o evento cresça ainda mais", comenta.

Quem fez - O coordenador do coletivo de cultura P&iá, Alexandre Nunes comentou sobre a realização da terceira edição do Festival Chico Pop como um marco para o coletivo. "Foi muito trabalho e dedicação para esse evento fosse realizado concretizado seu propósito de reunir os movimentos artísticos em uma semana de muita interação. Esse ano continuamos com apoio do Governo do Estado, por meio da Fundação de Cultura Elias Mansour e reforçamos o time dos que acreditam na proposta, com a OI ao nosso lado. E tivemos outros parceiros que também nos ajudaram muito, é o caso da Ecomania, RB Studio, Esfera Produções, Drogaria Leblon, e a participação da Rádio Aldeia e TV Aldeia, que transmitiram o evento, possibilitando que ele chegasse nos municípios acreanos", diz.

(Foto: Gabriel De Angelis)

Bate-papo musical na Semana Pop

Três dias de pura conversa musical, assim se define algumas das atividades oferecidas durante a Semana Pop. Com bate-papos sobre música nas suas mais variadas possibilidades, foram realizadas os workshops de "Gravação e Produção Musical" e "Criação Poética na Música", e a mesa-redonda abordando "A rede da música". Na quinta-feira, 24, a "troca de figurinhas" entre técnicos de som, músicos e demais curiosos se deu na Usina de Artes, no workshop "Gravação e Produção Musical' ministrado pelo guitarrista do Los Porongas, João Eduardo, e pelo baixista d'O Sonso, Klaus Sena. A conversa abordou a experiência de ambos com a produção de seus trabalhos, além de teoria sobre som, microfones, entre outros tópicos.

Em uma demonstração que o músico atual precisa ter conhecimento sobre técnicas de gravação, a dupla usou com frequência as suas próprias obras, explicando como se deu captou cada sonoridade. "É preciso que saber bem o que se quer neste processo de gravação e mixagem", explicou Klaus. Mas ambos deixaram claro que sempre há espaço para criatividade. "Apesar de todo conhecimento técnico, o mais importante ainda é colocar sua marca pessoal no trabalho feito", afirmou João Eduardo.

Talvez o evento mais abrangente da Semana Pop, em relação ao público-alvo, a mesa-redonda sobre "A rede de música" serviu como fórum de discussão a respeito deste segmento artístico. Entre os integrantes da mesa estavam Daniel Groove, vocalista d'O Sonso; Rogério Duarte, professor de literatura e ativista cultural; Aarão Prado, vocalista do Camundogs; Jorge Anzol, baterista do Los Porongas; Daniel Zen, presidente da Fundação Elias Mansour, sendo que a medição foi realizada pelo radialista Márcio Bleiner. Músicos , jornalistas e demais envolvidos com música presentes debateram acerca da atual conjutura e possibilidades econômicas para os profissionais do gênero, qualidade das produções, incentivos financeiros da iniciativa privada e pública etc.

Fechando a Semana Pop, o workshop de "Criação Poética na Música" foi uma conversa entre amigos sobre o processo de composição de letras para canções. Nomes de peso como Gerson Conrad (ex-Secos & Molhados) e Rogério Duarte compartilharam suas histórias com compositores acreanos como Diogo Soares, Aarão Prado e Kilrio Farias. Motivações, processos de criação, regionalismo, entre outros temas se apresentaram durante o evento.

Apesar da Semana Pop estar em seu final, o Festival Chico Pop apenas começa. Dias 26 e 27 de junho, a Concha Acústica recebe, a partir das 17h, as 11 atrações acreanas e a banda cearense O Sonso que conta com a participação especial do guitarrista e ex-membro da lendária banda Secos e Molhados, Gerson Conrad.

Semana Pop interage com Som da Floresta

Conhecido por seus nove anos de atuação, despertando em crianças e adolescentes o gosto pela música, pelo tocar e também construir. É isso mesmo, afinal, são os próprios cinqüenta alunos do projeto Som da Floresta que participam da criação de seus instrumentos feitos de material reciclado. Criado para atender meninos e meninas de 6 a 14 anos, o projeto também foi beneficiado pela Semana Pop, com uma descontraída oficina ministrada pela tecladista da banda O Sonso, que veio ao Acre para participar do Festival Chico Pop, a cearense Julianne Frenkiel.

Durante uma manhã, Julianne, que é voluntária em trabalhos comunitários ministrando oficinas de musicalização infantil, realizou uma dinâmica com os alunos do Som da Floresta, que engloba pessoas dos bairros Vanderley Dantas, Xavier Maia, Adalberto Sena. Mas a grande surpresa foi mesmo para a tecladista, que se impressionou com os alunos do projeto. "Eles são musicalizados, já possuem toda uma noção rítmica. Fiquei surpresa com a desenvoltura das crianças, todos com uma boa noção do que estão fazendo, construindo ali", comenta Julianne.

O projeto Som da Floresta é coordenado por Célia Pedrina e tem como professores Neiva Nara, Vanessa França, Maiara Montenegro, José Antônio, Daniel e Daniela. Ele tem o apoio do Governo do Estado, por meio da Fundação de Cultura Elias Mansour, Secretária da Floresta, e da prefeitura de Rio Branco, através da Fundação de Cultura Garibaldi Brasil. Além de aula de percussão, os alunos estudam teatro, balé clássico, yoga e praticam brincadeiras e exercícios no espaço onde funciona o Ponto de Cultura Som da Floresta. Neiva, que atua na iniciativa desde sua criação, comenta que o grande objetivo do projeto é despertar o gosto musical pela sonoridade, ressaltando as raízes musicais, que estuda desde o xaxado ao maracatu. Agora mesmo, os alunos estão fazendo audição com um cd de chorinho, segunda Neiva.

Antes do Som da Floresta a vida das crianças tinha outra rotina. Quando não estavam na escola, ficavam ociosos em casa ou na rua. Alice Almeida, 14 anos, participa do Som da Floresta há sete anos. "Eu só ia para a escola e ficava em casa sem fazer nada, hoje quando não estou na escola, estou aqui, aprendendo. Ante conhecia pouco de música, só o que eu ouvia por aí, hoje conheço muitas músicas brasileiras", diz.

Convidados para a Semana Pop, a troca de experiências entre a tecladista Juliana e as crianças e adolescentes do Som da Floresta rendeu em uma manhã de muita interação, troca de conhecimento e carinho. A Semana Pop e o Festival Chico Pop são realizados pelo coletivo de cultura P&iá, apresentado pela OI e Governo do Estado, com apoio cultural da OI Futuro, RB Studio, Esfera Produções, Aldeia FM, TV Aldeia, Drogaria Leblon, Ecomania.

Foto: Agência de Notícias do Acre

Videocast Chico Pop com Rogerio Duarte - por @_Hugo86 e @helderjr

Literatura que namora com letras de rock

O professor Rogério Duarte é referência no estudo das letras musicais e participa da Semana Pop

Existe ligação entre a música e literatura? "Sem dúvida", é o que diz o professor de literatura e gramática, Rogério Duarte. Um dos instrutores no workshop "Criação Poética na Música", Rogério veio para Rio Branco falar dos seus estudos ligados na influência da literatura nas letras de rock. E ele encontrou muito em comum nestas vertentes artísticas. Recentemente, Duarte concluiu dissertação de mestrado a respeito das relações entre a canção "Faroeste Caboclo", da Legião Urbana, a literatura de cordel e a literatura chamada “culta”, especialmente os romances Vidas Secas, de Graciliano Ramos, e A Hora da Estrela, de Clarice Lispector. Atualmente, em sua pesquisa de doutorado, analisa as relações entre o rock português e a poesia portuguesa.

Apaixonado e influenciado principalmente pelo rock produzido nos anos 80, Rogério não esconde sua predileção. "Sou convicto que os anos 80 foram tempos de efevercência cultural", afirma. O professor vê na atual cena independente brasileira o que há de melhor na música brasileira atual. "Tenho certeza que o que tem surgido de bom nos últimos seis anos é neste novo cenário de bandas independentes", opina.

Duarte explicou sobre as diferenças entre temas abordados nas letras nos anos 80 e 90. "Os anos 80 foram influenciados pela redemocratizaçao do país. É normal que as temáticas girassem em torno de comportamento e política. Já a geração dos anos 90 não teve a mesma passagem política e econômica. Porém meus pais diziam que as música que eu gostava era um lixo. Então tenho cuidado para não repetir aleatoriamente este preconceito", reflete.

Em razão de seu interesse pela música, hoje ele faz parte da agência e produtora chamada "A Identidade Musical". Sediada em São Paulo desde 2006, a agência é formada por profissionais da área musical e de comunicação com experiência de mercado, foi criada para dar suporte na profissionalização do artista independente nas mais diversas áreas, da produção musical à assessoria em comunicação. Entre seus projetos está o "Mais Massa", que entre outras bandas do cenário independente nacional, envolve a banda acreana Los Porongas.

Programação


Na Semana Pop, Rogério Duarte participa na sexta-feira, 25, da Mesa-Redonda "A rede da música: Um panorama sobre os caminhos da música. Redes e Cooperativismo", no Teatro Hélio Melo, às 19h. E também no sábado, 26, às 9h30, na Usina de Artes, no workshop "Criação Poética na Música". Participar da oficina e do workshop, basta se inscrever na opção "Cadastro" neste site.

#ETC_AC em imagens na Semana Pop

Veja o que rolou no #ETC_AC do dia 23 de Junho!


Doc Pop exibe produções acreanas

"Um igarapé no meu quintal"será exibido nesta quinta-feira, no Theatro Hélio Melo

Nesta quinta-feira acontece a exibição de mais um Doc Pop, na Semana Pop, realizada pelo coletivo de cultura P&iá. "Um igarapé no meu quintal", com duração de 30 minutos, é uma produção realizada através do projeto "Consumo Consciente - Cinema e cidadania", através do edital Arte e Consumo, do Procon-Acre. Mais que um documentário, o trabalho coordenado pelo publicitário e professor do curso de Comunicação da Ufac, Gilberto Ávila, envolveu 32 alunos e pessoas da comunidade em volta do Igarapé Fundo, e trabalhou a formação dos participantes.

Antes de começarem a gravar, todos que trabalharam na produção participaram de oficinas direcionadas a produção de documentários. Gilberto conta que a escolha pelo Igarapé Fundo como tema, é por ele fazer parte da Zona de Atendimento Prioritário 3 (ZAP), área selecionada pelo edital para o desenvolvimento dos projetos.

E não pára por aí, o orçamento de R$ 35 mil voltado para o documentário, segundo Gilberto Ávila, também prevê divulgação do trabalho na própria comunidade do Igarapé Fundo e em outras comunidades, inclusive, em diferentes cidades do Acre. "Gravar esse documentário nos levou a um processo diferente, porque formamos multiplicadores de conhecimento na área de audiovisual, mas foi além da prática, abordamos também a questão da cidadania, consciência ambiental com todos que participaram do projeto".

O documentário será exibido às 19h, no Theatro Hélio Melo, na Semana Pop, que tem como proposta integrar diversas ações culturais dentre oficinas, palestras, debates, música e exibição de documentários. "A ação cultural representa um marco na história do Acre e uma nova perspectiva para os artistas no estado, a união de diversos estilos de se fazer arte proporciona um trabalho exemplar quando se trata de percepção humana. A Semana Pop e o Festival Chico Pop propõem isso", diz Gilberto.

Mais informações sobre a Semana Pop e o Festival Chico Pop, você confere no site www.festivalchicopop.com

Roqueiros cearenses e a lenda da música brasileira

Conheça alguns dos destaques da música nacional se apresentarão no 3º Festival Chico Pop

Não é porque a marca do Festival Chico Pop é a valorização das produções artísticas acreanas, que o intercâmbio e interação com o restante do Brasil não é bem recebido. Para a terceira edição do evento, o Coletivo de Cultura P&iá traz uma atração nacional. Ou melhor: duas. No sábado, 26, a plateia que estiver na Concha Acústica do Parque da Maternidade poderá acompanhar no encerramento dos shows, a banda cearense, destaque do circuito independente, "O Sonso". Durante sua apresentação, eles contarão com a participação especial de uma das lendas da música brasileira: Gerson Conrad, ex-guitarrista da banda "Secos & Molhados".

O Sonso: a mistura musical do Ceará
Liderada pelo irreverente vocalista e letrista Daniel Groove, a banda O Sonso apresenta canções que integram, na mesma sonoridade, o rock e a canção romântica brasileira, chamada de brega, mas que a banda valoriza e ressignifica, numa obra inovadora, para fazer dançar, cantar e se emocionar. De letras fortes, potencializadas pela performance do vocalista, O Sonso veio para atingir o grande público, com a pretensão única de fazer boa música bebendo em todas as fontes.

A proposta sonora de integrar a canção romântica brasileira com a força do rock fica evidente nos arranjos sugeridos pelos teclados quase psicodélicos de Joo Frenkiel. A noção do tempo fica diluída, sintetizada a uma “ideia na cabeça, poeira na cabeça e um poema pra você” – e fica para o ouvinte essa oferta subjetiva, perceptível nos instantes da audição do CD, mas que pode ser degustada em cada verso.

Nas apresentações ao vivo, a performance de Daniel Groove é marcante – ele fala com o público, diverte-o e conta histórias, sem deixar o ritmo da apresentação cair. Daniel não tem medo de olhar nos olhos das pessoas e transmitir, por eles, pelas entoações vocais e pelos gestos, toda energia poderosa que emana das canções: Daniel é o amplificador físico das emoções que correm no palco e nos arranjos. A combinação dos versos com a fusão dos ritmos – e tudo cifrado na presença de palco e na expressão corporal de Daniel: isso é O Sonso. Suas músicas estão disponíveis no endereço eletrônico: www.myspace.com/osonso

A trajetória de Gerson Conrad
Gerson Conrad ficou conhecido ao ingressar no ano de 1973 no grupo Secos & Molhados, que contava com João Ricardo e Ney Matogrosso. Foi o responsável por uma das canções mais clássicas do grupo, e da época: "Rosa de Hiroshima", um poema de Vinicius de Moraes musicado por Gerson. No segundo disco do grupo, de 1974, foi compositor de mais uma canção, "Delírio".

Com o término do grupo no ano de 1974, Gerson se juntou-se ao letrista Paulo Mendonça e a atriz e cantora Zezé Motta, e lançou em 1975 o disco Gérson Conrad e Zezé Motta, no qual se destacaram as canções "Trem noturno" e "A dança do besouro". Em 1981, fez um outro trabalho solo, Rosto Marcado, lançado pela gravadora Som Livre, seu último disco lançado até então.

Hoje Gerson Conrad tem sua banda, Trupi, que mantém em seu repertório algumas canções dos Secos & Molhados, e canções de blues e rock. Atualmente estão com o espetáculo que leva o nome de "Bons Tempos", uma das canções escritas por Gerson Conrad.

O 3º Festival Chico Pop é apresentado pela OI, Governo do Estado, através da Fundação de Cultura Elias Mansour, com apoio cultural da Oi Futuro, Drograria Leblon, RB Studio, Esfera Produções, Ecomania, TV Aldeia e Rádio Aldeia FM.

Fonte: O Sonso e Gerson Conrad


O dono do cavaco que atende por Bené

Senhor de fala mansa, cabelo com penteado rabo-de-cavalo e "jeitão de gente-boa". Assim é o perfil de uma das atrações do 3º Festival Chico Pop: Bené do Cavaco. Se você for ao 2º Distrito da capital acreana, vai encontrar poucos músicos tão populares quanto Bené. O músico começou a tocar cavaquinho aos nove anos de idade e, segundo suas palavras "toca pra valer há 35 anos".

Bené tem um grande repertório de músicas próprias e gravou seu primeiro disco há 24 anos, em formato de LP. "Às vezes estou executando um exercício para cavaquinho e quando vejo já está saindo uma composição nova", diz. Com seu parceiro de trabalho e de lazer no sobrenome, Bené diz que isso já virou sua marca registrada. "É um pedido do povo, dos fãs, que eu use o sobrenome "do Cavaco". O instrumento já é meu nome.", explica.

Acompanhado pela banda Forró Simpatia, Bené convida a todos para o festival. "Estou muito feliz em tocar meu forró na Concha Acústiva após cinco anos. É muito bom dividir o palco com tantos estilos musicais diferentes", afirma. Bené do Cavaco se apresenta no Festival Chico Pop no domingo, 27, a partir das 17h, na Concha Acústica do Parque da Maternidade.

Fotos da exibição do documentário "O Teatro de Betho Rocha"

Olha o que rola no The Rock Bar!

Festas Juninas On The Rock Bar!

Quinta-feira, dia 24
Panela de Expressão convida Los Porongas

Sexta-feira, dia 25
Daniel Groove (O Sonso), Diogo Soares (Los Porongas) e convidados fazem a Noite da Música Brasileira - Uma homenagem a Jorge Ben, Roberto Carlos, Benito de Paula, Chico Buarque, Caetano Veloso entre outros.

Sábado, dia 26
O Sonso e Los Porongas

Não deixe de ir!

O teatro de Betho Rocha em cena

A vida e a obra do teatrólogo acreano Betho Rocha é o tema do documentário que foi exibido no segundo dia de programação da Semana Pop, realizada pelo coletivo de cultura P&iá. Com 53 minutos de duração, o documentário "O teatro de Betho Rocha" teve sua avant-premier na noite de ontem, no Theatro Hélio Melo. Buscando uma aproximação entre linguagens cinematográfica e cênica, o documentário é apresentado de maneira delicada e teatral, passeando pela interpretação de poesias que Betho escreveu e pelos depoimentos de amigos e parceiros de trabalho.

"O teatro de Betho Rocha" abriu o Doc Pop, espaço da Semana Pop dedicada a exibição de documentários.

Dirigido por Ítalo Rocha, sobrinho de Betho Rocha, o documentário é também um registro do trabalho exercido por esse teatrólogo na cultura acreana. Ítalo comenta que dirigir o documentário foi também uma boa surpresa, porque assim, pôde conhecer mais do artista. "Betho Rocha foi um divisor no teatro acreano. O seu trabalho voltado para uma iluminação diferente e um novo conceito estético marcou a produção teatral no Estado. Foi um imenso prazer realizar esse registro que resgata o trabalho de Betho, que apesar de ser meu tio, eu não tinha noção da grandiosidade do que ele fez, foi através das pesquisas que fui percebendo isso", comenta.

O desafio de produzir o documentário esteve na verba, que foi realizado com um orçamento de pouco mais de R$ 5 mil. Agora, Ítalo espera as datas para participar de alguns festivais no qual o documentário está concorrendo. Também pretende realizar exibições em escolas, começando em uma mostra no Colégio Barão do Rio Branco. "É um desafio grande produzir e divulgar um documentário. Agradeço muito ao coletivo de cultura P&iá, que acreditou nesse projeto e o inseriu na Semana Pop", ressalta o documentarista.

O coordenador do coletivo, Alexandre Nunes, comenta que dedicar um espaço a exibição de documentários é uma proposta que caminha junto ao pensamento do jornalista e ativista cultural, Chico Pop, que sempre trabalhou a junção das diversas expressões artísticas. "Estamos aprendendo a reunir essas artes e temos feito isso com ajuda de todos que contribuem com o coletivo. Esse ano é a primeira edição que reunimos teatro, audiovisual, literatura, artes plásticas, tudo, aliado a música. E só conseguimos ampliar a proposta graças ao amadurecimento do coletivo e das parcerias, este ano temo a grande ajuda da Oi e da OI Futuro e do Governo do Estado".

Quem foi - Para quem participa da Semana Pop, a proposta tem sido uma boa surpresa. "A Semana Pop está conseguindo reunir uma turma que nem sempre esta presente em algumas atividades culturais. Aqui, a música conversa com o teatro, cinema, literatura, isso tem sido muito bom. E acredito que o coletivo de cultura P&iá é o primeiro movimento no Acre que está utilizando as redes sociais e usufrui de maneira muito positiva desses recursos", comenta Adaildo Neto.

Para a cineclubista Juiana Machado, a Semana Pop abre uma nova proposta, que é de trabalhar a arte de maneira unificada. "Fantástica a idéia do documentário de Betho Rocha, que resgata sua história, principalmente, seu trabalho. E como ressalta um dos depoimentos no vídeo, ele foi a melhor cabeça do teatro acreano para a sua época. Muito bom também ver esse espaço ao audiovisual em um evento que iniciou volta para a música, é uma bela união das artes".

Além do documentário "O teatro de Bheto Rocha", o Doc Pop exibe nesta quinta-feira, "Um igarapé no meu quintal", de Gilberto Ávila, no Theatro Hélio Melo. E na sexta-feira, o espaço é para a literatura, às 17h, no Theatro Hélio Melo, o Sempre Um Papo com Fabrício Carpinejar, e às 19h, no mesmo local, o foco é a música, com a mesa redonda que debate um panorama sobre os caminhos da música, rede e cooperativismo. Para saber mais da programação da Semana Pop e do Festival Chico Pop, é só acessar www.festivalchicopop.com

Oficina de Estêncil Com "Babu"

Está sendo realizada hoje no período de 14h a 17h a Oficina de Stencil Art com o artista plástico Adão Segundo mais conhecido como "Babu". Logo mais, às 15h, o ator Ivan de Castela dará continuidade a sua Oficina Teatral Pop de Rua no Colégio Estadual Barão do Rio Branco.

Confira fotos da oficina de estêncil ministrada pelo artista plástico "Babu" realizada durante a parte da manhã:




Semana Pop começa com teatro de rua

Oficina de Teatro POP de Rua inicia as atividades da Semana Pop

Uma das mais tradicionais escolas do Acre, o Colégio Estadual Barão do Rio Branco, CERBR, viu sua rotina alterada nesta segunda-feira, 21, graças a uma “invasão cênica”. É a Oficina de Teatro POP de Rua, com o ator Ivan de Castela, que se realiza na quadra da escola.
Com cerca de 20 alunos da oficina e uma infinidade de alunos do colégio curiosos a cada movimento, o curso é o começo da Semana Pop, realizada pelo Coletivo P&iá, com patrocínio da Oi e Governo do Estado.

Oferecida de forma gratuita, a oficina atraiu desde pessoas que já têm ligação com as artes cênicas, até quem nunca teve experiência no ramo. É o caso da animadora cultural Juliana Figueiredo, que acredita que esse aprendizado ajudará em sua profissão. “Este começo de oficina é um pouco diferente do que esperava, mas tem sido uma grata surpresa.”, diz.

Para o professor da oficina, Ivan de Castela, a participação dos alunos é ótima e todos estão se mostrando esforçados. “O objetivo aqui é mostrar para as pessoas que não é difícil montar uma peça na rua. Com essa noção, eles poderão cada um montar a sua e propagar a arte.”, explica Ivan.

A Oficina de Teatro POP de Rua se encerra na terça-feira, 22. Porém, a Semana Pop vai até o dia 26, com atrações nas diversas áreas artísticas, e em seguida é a vez do 3º Festival Chico Pop.

Abaixo segue um vídeo de como foi um pouco a oficina:

Fotos:


VideoCast Chico Pop com Diogo Soares (Los Porongas) - por @_Hugo86

Os "Porongas" começam a chegar em Rio Branco para a Semana Pop 2010


Diogo Soares (Vocal) e João Eduardo (Guitarra) desembarcaram hoje para a Semana Pop 2010. Na saída do aeroporto, Diogo Soares gravou um videocast para o blog falando um pouco sobre a Semana Pop 2010, confira o vídeo abaixo:


Os integrantes da banda vão participar do Workshop de Gravação e Produção Musical, Criação Poética na Música e da Mesa Redonda. A banda encerra o Festival Chico Pop 2010 no domingo, 27 de Junho. O Los Porongas trazem dessa vez na bagagem várias novidades sobre o tão esperado novo disco. Tudo isso na Concha Acústica dias 26 e 27, a partir das 17h.

TV Aldeia e Aldeia FM na cobertura do Festival Chico Pop

As atrações dos dias 26 e 27 serão transmitidas ao vivo pela TV e rádio para todos os municípios do Acre e pela internet

Não é apenas quem mora em Rio Branco que poderá aproveitar as apresentações do 3º Festival Chico Pop. Em parceria com o Sistema Público de Comunicação do Estado, esta edição terá a transmissão da rádio e TV Aldeia para todos os municípios do Acre. Além dos sinais de TV e rádio, o restante do mundo tem a opção de curtir os shows através da internet no sites www.festivalchicopop.com e www.radioaldeia.blogspot.com.

A parceira vem no momento em que o Coletivo de Cultura P&iá pretende expandir suas ações para as demais cidades acreanas. Segundo o Alexandre Nunes, Coordenador do P&iá, as ações do coletivo visam proporcionar cultura não apenas para a capital, mas também para o restante do Acre. “Nossa ideia é que no próximo ano, cada regional do Acre receba uma edição do Festival Chico Pop”, diz.

Além dos shows, os ouvintes e telespectadores poderão acompanhar entrevistas com os músicos e demais personalidades que participam do Festival. A dupla, Jorge Henrique e Márcio Bleiner, apresentam o Festival na TV, enquanto na rádio, esta função é feita por Andryo Amaral.

Programação do Festival

A Concha Acústica do Parque da Maternidade é o “lar” do Festival Chico Pop deste ano. No sábado, dia 26 de junho, a partir das 17h, os responsáveis pela festa musical são bandas acreanas Degradê, Survive, Roda de Samba, Álamo Kário, Camundogs. Para fechar a noite, a atração é a banda cearense O Sonso que conta com a participação especial do guitarrista e ex-membro da lendária banda Secos e Molhados, Gerson Conrad.

Os shows no domingo, dia 27, também começam às 17h. Nesta noite, as bandas que se exibem são Clenilson & Os Lendários, Bené do Cavaco, Danah Costa, Cappuccino Jack, Mapinguari Blues e Los Porongas. Para saber mais informações sobre o 3º Festival Chico Pop, basta acompanhar por este site.

Aulas de stencil na Semana Pop

O artista Babu leciona sobre stencil art

Agregada à programação da Semana Pop, na terça-feira, dia 22, acontece a Oficina de Stencil, ministrada pelo artista Babu. A oficina acontece na Sala de Artes do Colégio Estadual Barão do Rio Branco, CERBR, das 8h às 11h. Se o número de inscritos no curso for muito grande, será aberta outra turma no período da tarde, com aulas das 14h às 17h.

Na oficina, a turma verá a história do stencil, suas tendências, transferência, recorte e impressão. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no local ou clicando aqui. É necessário levar uma camiseta branca.

A arte do stencil

A origem do stencil se encontra na China, juntamente com a invenção do papel, no século 105 d.C. Antes disso a técnica utilizava-se de elementos naturais, como folhas e rochas, para fazer as máscaras das partes que não se podia colorir com os pigmentos. Com o uso do papel se começou a entalhar a forma, o desenho, a escrita e tudo o mais que se quisesse reproduzir fielmente. Se pode dizer que o stencil foi a primeira forma de gravura.

Nos anos 600, na China, começaram a fazer desenhos mais complexos e aplicar a técnica para a decoração de tecido, embora com o uso de poucas cores. Porém, foi no Japão que a técnica do stencil sobre o tecido se aperfeiçoou com a introdução de uma primeira máscara lavável e, conseqüentemente, reutilizável. O papel recebia, antes de ser entalhada com o motivo desejado, um tratamento especial com suco de caqui. Isso o deixava impermeável.

O stencil vem sendo muito utilizado para decorar paredes, móveis e outros objetos. Trata-se de uma técnica simples com moldes vazados recortados em papel que pode, ocasionalmente, ser conjugada com múltiplas variações e assumir características diversas.


Fonte: Babu

Oficina Teatral POP de Rua começa na segunda-feira

O teatro de rua é um dos atrações da Semana Pop

Nos dias 21 e 22 de junho acontece a Oficina Teatral POP de Rua, que faz parte das atrações da Semana Pop promovida pelo Coletivo P&iá. A oficina será realizada no Colégio Estadual Barão do Rio Branco (CERBR), entre 15h e 18h. Todas as ações da Semana Pop e do 3º Festival Chico Pop são gratuitas, inclusive esta oficina. As vagas estão abertas e quem se interessar pode se inscrever no local do curso ou clicando aqui.

O nome de Ivan Ferreira pode não ser dos mais populares em Rio Branco. Porém, se chamarmos pelo seu nome artístico, poucos dessa cidade não reconhecerão a pessoa: Ivan de Castela. Ator, diretor, apresentador, mestre-de-cerimônias, entre outras funções, esse rio-branquense de 39 anos é figura fácil quando o assunto é teatro. E a Oficina Teatral POP de Rua é ministrada por ele. "Quem quiser participar é só chegar e, se puder, traga um instrumento musical de qualquer tipo para utilizarmos durante o curso", avisa.

Ivan e o teatro de rua

Com 27 anos de atuação nesta vertente cênica, Ivan começou sua carreira na peça "Eraumavez" - grafada em uma única palavra mesmo - do teatrólogo Jorge Carlos. "Eram reuniões entre grupos teatrais e militantes de movimentos sociais. Tínhamos dificuldades, pois era época da ditadura", recorda.

Não é por acaso que o teatro de rua é associado aos movimentos sociais e protestos políticos. "Na rua, temas abordados no teatro têm que tocar mais profundamente as pessoas. Tem que chamar a atenção mesmo", diz Ivan ao salientar que, neste caso, o termo "político" se refere ao cotidiano das pessoas.

Colega do saudoso jornalista Chico Pop, patrono do festival, Ivan de Castela lembra como o ativista cultural ajudaria na oficina. "Chico me diria: 'Fazer, eu não farei a oficina, mas dou a maior força.'", brinca.

Os certificados para os participantes das oficinas estarão disponíveis em formato digital neste site.

Boletim do Pop

Apoio Cultural

Arquivo